segunda-feira, 2 de março de 2015

A Nutricionista chegou :D

Olá pessoas!

Bem, para vossa surpresa, hoje não é nem a Carla nem a Catarina que vos escreve! A pedido de muitas famílias, sou eu, “a Nutricionista” que vem cá falar. Pois bem, a partir de hoje será habitual que eu também dê cá a minha opinião. Como tal, acho bem começar por uma pequena introdução:

O meu nome é Angélica, tenho 23 anos, sou licenciada à 1 ano e meio e estou no momento a trabalhar numa Instituição Particular de Solidariedade Social (conhecidas como IPSS). A par do trabalho estou ainda a fazer mestrado em Alimentação Coletiva.



Introduções feitas, confesso que foi algo complicado decidir o que haveria de falar neste primeiro post. Hoje em dia toda a gente fala e toda a gente (acha que) sabe sobre Nutrição. Lembrei-me que de todas as vezes que me perguntam a profissão e eu respondo “Nutricionista”, em 99% das vezes sou bombardeada com questões como “Já agora, o que é que eu faço para emagrecer?” ou “A minha namorada vai adorar conhecer-te!” ou ainda “Posso comer pão?”. São perguntas normais de quem está integrado numa sociedade que todos os dias é bombardeada com notícias de dietas, de superalimentos e de novos fármacos para perda de peso. Posto isto, acho importante que antes de qualquer coisa todos percebamos como funciona o nosso organismo, porque basta perceber o nosso organismo para respondermos a todas as questões anteriores.

O nosso corpo é semelhante a um carro. Um carro faz quilómetros e queima gasolina. O nosso corpo mexe-se, digere, pensa, fala (…) e queima calorias. Essas calorias provêm dos alimentos que ingerimos. Tal como nos carros, há o gasóleo, a gasolina 95 e a gasolina 98. O nosso corpo também precisa de diferentes nutrientes e, consequentemente, diferentes alimentos. O nosso cérebro necessita de hidratos de carbono, os nossos músculos necessitam também de proteínas.

Voltando ao carro sabemos que existe uma relação direta entre os litros de gasolina e os quilómetros que fazemos. Também no nosso corpo há uma relação direta entre as calorias que ingerimos e as que gastamos. Esta relação traduz-se no conceito de “equilíbrio energético” retratado na imagem.

Se ingerimos 2000 kcal e gastamos, no nosso dia-a-dia, 1500 kcal, é fácil perceber que as restantes 500 kcal não serão gastas. Em resultado disto, este excesso calórico tende a ser acumulado no nosso organismo sob a forma de gordura. E depois é natural ouvirmos “Engordei 2 kg no Natal!” Está explicado!


Por outro lado, se ingerimos 1500 kcal e gastamos 2000 kcal, é também fácil perceber que ficam a faltar 500 calorias. Neste caso, o nosso organismo recorre, através de processos bioquímicos às nossas reservas e torna-se então possível a perda de peso.
Idealmente, se temos um peso adequado à nossa estatura devemos tentar manter o equilibro energético, ou seja, ingerir calorias na mesma quantidade daquelas que gastamos ao longo do dia.

E como vos disse, percebendo isto, consegue-se responder às habituais perguntas: 

“Já agora, o que é que eu faço para emagrecer?” - Se precisa de perder peso tem que garantir que gasta mais calorias do que aquelas que consome de forma a garantir um balanço energético negativo e perder peso. Para tal, substitua a ingestão de alimentos calóricos como os açúcares e as gorduras saturadas por alimentos saudáveis como as frutas e os legumes. A isto, alie a prática regular de exercício físico.

“Posso comer pão?” - Todos os alimentos fornecem energia, ou seja calorias. Isso mesmo, todos. E se pretender trocar o pão ao lanche por umas bolachas, fique a saber que muitas vezes as bolachas são mais calóricas e contêm maior quantidade de açúcar e gordura. A par disto, se o pão for escuro, integral ou com sementes, possui também mais fibra que é também importante para o nosso organismo. Em conclusão, pode comer pão desde que em quantidades razoáveis. Tenha apenas em atenção àquilo que coloca no pão, pois muitas vezes a “asneira” está no recheio. Mas isso será assunto para outros posts.

Espero que hoje tenham gostado desta pequena introdução e tenha esclarecido algumas das vossas dúvidas. Para a semana volto. 
Aproveitem e digam-nos que assuntos pretendem ver aqui falados!

Um beijinho bem nutrido,

Angélica