segunda-feira, 16 de março de 2015

A Opinião da Nutrcionista

Olá Olá!
Depois do primeiro post sobre o equilibro energético hoje venho falar-vos um alimento que gosto muito e uso com frequência no meu dia-a-dia. É a aveia. A aveia pertence ao grupo dos cereais, derivados e tubérculos da Roda dos Alimentos.






Apesar de ser um cereal com bastantes anos de história, o seu consumo não é muito elevado, nomeadamente em Portugal. Espero que, depois deste post, comecem a pensar em consumir mais aveia, porque é realmente um alimento com elevado valor nutricional e que substitui (e muito bem) os cereais de pequeno-almoço que encontramos no supermercado.

E vocês agora perguntam: Mas, afinal, porque é que a aveia é assim tão boa?
E eu respondo: Primeiramente é um alimento puro. É consumido na sua forma natural. É destes alimentos que precisamos, sem processamentos nem refinações que, muitas vezes, retiram o que de melhor têm os alimentos. Mas o segredo da aveia ser um alimento tão saudável reside num seu constituinte chamado β-glicano que consiste num polissacarídeo não-amiláceo constituído por várias unidades de glicose. Química à parte, o β-glicano é um constituinte da fibra presente na aveia. Está comprovado cientificamente o efeito do β-glicano na redução dos níveis sanguíneos de colesterol (nomeadamente o “mau colesterol” ou LDL) e ainda que a ingestão de β-glicano proveniente de aveia ou cevada numa refeição promovem uma menor subida da glicemia pós-prandial (depois da refeição). Por estes motivos, a Comissão Europeia e a FDA (Food and Drug Administration) autoriza a descrição destes benefícios nas embalagens de aveia que vemos à venda no supermercado e em alguns produtos feitos com aveia.

A par destes benefícios, a aveia favorece também o trânsito intestinal devido à quantidade de fibra que possui. Apesar de possuir também uma quantidade razoável de gordura (5,8g de lípidos em 100g de aveia) a maioria destes lípidos são monoinsaturados, ou seja, gordura saudável. A aveia é ainda rica em proteínas, vitamina B1, vitamina B3, vitamina E, folatos, fósforo, ferro, magnésio e zinco.

Nas nossas refeições a aveia funciona muito bem como substituto dos cereais de pequeno-almoço (através das papas de aveia) ou como constituinte em pão, bolachas, panquecas, etc.
Deixo a receita de duas variantes de papas de aveia para que possa experimentar em casa e variar a sua alimentação!


Um beijinho bem nutrido
Angélica

Papas de aveia tradicionais:

Leva-se ao lume 2 chávenas de leite (pode substituir por água) e 1 chávena de flocos de aveia. Junte canela em pó a gosto e uma casca de limão. Deixe ferver durante uns 5 minutos. No final retire a casca de limão e junte adoçante liquido. Coloque numa taça e complete a gosto (pode juntar pedaços de fruta, iogurte, sementes de linhaça, sementes de chia, pinhões, amêndoa, etc.). Naqueles dias em que esteja mais gulosa, experimente colocar um quadrado de chocolate preto, fica delicioso porque o chocolate acaba por derreter em contacto com o calor.


(na foto: Papas de aveia com canela, erva-doce, sementes de linhaça e chocolate preto)


Papas de aveia frias:


Junte num recipiente 3 colheres de sopa de flocos de aveia e 3 colheres de sopa de leite (pode substituir por água). Junte canela em pó a gosto, adoçante líquido e complete com os ingredientes que mais gostar. Depois tape o recipiente e coloque no frigorífico durante a noite. É uma ótima sugestão para levar para o trabalho!


(na foto: Papas de aveia frias com iogurte de soja e sementes de linhaça)